Escola cívico-militar: prefeitura não pode repassar vaga no programa para unidade do Estado

Escrito por em 30/05/2022

Depois que a 94FM revelou que Bauru não deu andamento ao processo junto ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim), do Governo Federal, a prefeitura alegou que as escolas municipais não cumpriam os requisitos, mas que estudava a possibilidade junto às escolas do Estado.

A alegação não procede. O requisito é ter nota no Ideb inferior a 5,2, que é a média estadual. A reportagem da 94FM apurou que Bauru tem quatro escolas com nota inferior a esse valor e que se enquadrariam no programa. É o caso das escolas Nacilda de Campos, no Jardim TV, Lydia Alexandrina, no Geisel, Ivan Engler de Almeida, no Jardim Vitória, e a Cônego Aníbal Difrância, no Parque São Geraldo.

De acordo com o deputado estadual Tenente Coimbra, presidente da Frente Parlamentar pela Implementação das Escolas Cívico-Militares no Estado de São Paulo, o município não pode repassar a vaga para escolas do Estado.

No estado de São Paulo, o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares já tem escolas em Pirassununga, Taubaté, Lins, São Vicente, Guarujá e Barrinhas.

Leia mais:

  • BAURU NÃO TERÁ MAIS ESCOLA CÍVICO-MILITAR ANUNCIADA POR MINISTRO
  • DEPUTADO REBATE PREFEITURA E REAFIRMA QUE BAURU PERDEU PRAZO PARA TER ESCOLAS CÍVICO-MILITARES

    Reunião entre a prefeita Suéllen, secretária de educação Kobayashi e os então ministros Marcos Pontes e Milton Ribeiro para tratar da implantação de escolas cívico-militares em Bauru – Foto: Gabriel Pelosi/94FM


  • Opnião dos Leitores

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



    [Nenhuma estação de rádio na Base de dados]