Investigados por suspeita de furar fila na vacinação contra a Covid-19 são exonerados em Manaus

Escrito por em 13/02/2021

Sete dos dez médicos citados em investigação do Ministério Público do Amazonas sobre “fura-filas” na vacinação contra a Covid-19 em Manaus foram exonerados pela Prefeitura da capital nessa sexta-feira (12). Entre os nomes, estão das gêmeas Isabelle e Gabrielle Kirk Maddy Lins. As duas receberam a primeira dose da vacina no dia 19 de janeiro – mesmo dia em que uma delas foi contratada. A outra foi efetivada no cargo dia 18, um dia antes.

O caso ganhou repercussão após as médicas postarem a imunização nas redes sociais. A família das médicas é dona de hospitais e universidades particulares em Manaus, entre outros negócios. Além das duas, a lista de investigados traz, ainda, os nomes de outros oito médicos, dentre eles, o filho do suplente de deputado estadual Wanderley Dallas, David Louis Dallas.

Na época, em meio às polêmicas sobre a vacinação do grupo, o prefeito de Manaus, David Almeida, negou as irregularidades, disse que se tratava de fake news e chamou os médicos investigados de heróis. A secretária de saúde de Manaus, Shádia Fraxe, justificou a contratação do grupo, alegando a falta de recursos humanos.

Todos os médicos se tornaram alvo de investigação porque estavam entre os primeiros vacinados contra a Covid-19 e tinham sido contratados havia poucos dias pelo gabinete da Prefeitura. Na época, o Ministério Público citou que a contratação deles foi “falsamente” para o cargo de gerente de projetos, o que levantou suspeita de falsidade ideológica.

Os promotores chegaram a pedir a prisão do prefeito e da secretaria de saúde, por conta das irregularidades, além da exoneração dos citados. O pedido está sob análise da Justiça.

Fonte: G1

Foto: Reprodução/Redes Sociais/G1


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



[Nenhuma estação de rádio na Base de dados]