Juiz eleitoral adverte sobre as consequências envolvendo a famigerada boca de urna

Escrito por em 23/10/2020

A legislação eleitoral proíbe a realização de atividades de aliciamento de eleitores e quaisquer outras ações que tenham o objetivo de convencer o cidadão que se dirige à seção eleitoral, no dia da votação. A chamada “boca de urna” é crime e será fiscalizada pelas autoridades. A regra estabelece como punição a detenção de seis meses a um ano e multa.

Por outro lado, a legislação permite no dia do pleito a manifestação individual e silenciosa da preferência do eleitor por agremiação partidária, coligação ou candidato, revelada exclusivamente pelo uso de broches, camisetas, adesivos, entre outros. O repórter Gabriel Pelosi conversou com o Rodrigo Machado de Melo, juiz eleitoral da 23ª Zona Eleitoral, que explicou como a “boca de urna” será fiscalizada. Vamos ouvir.

Também constituem crimes no dia da eleição a dispensa de “santinhos” o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoção de comício ou carreata.


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]