Marcos Kwiek é o novo técnico do Sesi Vôlei Bauru

Escrito por em 25/06/2022

Marcos Kwiek será o treinador do Sesi Vôlei Bauru para as disputas da temporada 2022-2023. É a segunda passagem por Bauru do treinador que, desde 2008, comanda e mudou o patamar da seleção da República Dominicana no cenário internacional do esporte.

Marcos Kwiek é paulistano, tem 54 anos e passagens por vários clubes do voleibol nacional, como Barueri, Hebraica, Mackenzie, Osasco, Unisul e Pinheiros. Também foi auxiliar de José Roberto Guimarães na comissão técnica da seleção brasileira no período de 2003 a 2008, quando saiu para assumir o comando da seleção dominicana.

Kwiek fora o treinador do então Vôlei Bauru na temporada 2016-2017 e em parte da temporada 2017-2018. Agora, a exemplo do que já fizera anteriormente, o técnico permanecerá conciliando as funções na seleção caribenha e no clube. Ele seguirá trabalhando com o selecionado dominicano até o fim das competições do calendário internacional, especialmente o Mundial de Voleibol Feminino, previsto para se encerrar em meados de outubro, quando assumirá presencialmente o Sesi Vôlei Bauru.

“No Campeonato Paulista, que é muito forte, competitivo e importante para nosso planejamento, não estarei presente o tempo inteiro. Por isso, há uma comissão técnica capacitada, em que estamos em contato direto, e acabando o calendário internacional, após o Mundial, que termina em 15 de outubro, na semana seguinte já deverei estar presente aqui e daremos continuidade ao nosso planejamento e sequência de trabalho”, destaca o novo técnico do Sesi Vôlei Bauru. Até lá, a equipe bauruense será dirigida pelos assistentes técnicos Fabiano Kwiek, irmão de Marcos e que também retorna a Bauru, e Eduardo Gonçalves, que ainda se manterá à frente do time sub-21 do Sesi-SP.

Além deles, farão parte da nova comissão técnica da equipe os preparadores físicos Ricardo Oliboni, que é bauruense e também atua na seleção dominicana, e Elder Facin, os fisioterapeutas José Bassan Franco, Keysi Dayane Alves da Silva e Augusto Louzada Rochi, a nutricionista Aline Tritto, os médicos Carlos Eduardo Moraes Matos e Roger Tedde Mansano e os auxiliares Paulo Rogério dos Santos e Renato Batista dos Santos. Prosseguem na supervisão Sérgio Negrão e Wellington Luiz Pani, além de Reinaldo Mandaliti como presidente e Jader Luiz Serni como diretor.

A seguir, os principais assuntos abordados por Kwiek:

Escolha pelo Sesi Vôlei Bauru

“Tenho carinho muito grande pelo projeto do Vôlei Bauru, que foi onde tive a primeira passagem. E a chegada do Sesi-SP trouxe diversos benefícios ao projeto, como a relação com a escola e educação, tudo o que sempre falei que gostaria de ter aqui, com as categorias de base e iniciação ao esporte, e que tivéssemos uma continuidade do trabalho, e não apenas a ponta da pirâmide.

Além disso, a seriedade do projeto, a possibilidade de crescimento, as categorias de base, a construção do ginásio e a evolução da metodologia e da ideia do projeto me atraíram muito. Você ter um projeto sério, com pessoas sérias trabalhando, e o respaldo do Sesi-SP, além do Vôlei Bauru, e a possibilidade de voltar ao Brasil para poder acompanhar a Superliga e as categorias de base foram aspectos muito importantes.”

Filosofia

“Nossa filosofia será a de contar com um time altamente competitivo e entrando em quadra sempre buscando a vitória, independentemente do adversário que está do outro lado. Sabemos que não somos o maior investimento da Superliga e posso dizer que somos o quinto ou sexto em números totais, e nosso time, em teoria, brigará para se classificar bem nos playoffs. Teoricamente falando, hoje no papel nosso time é a quinta ou sexta força da Superliga, mas nada impede que briguemos pelos primeiros lugares.

Isso é uma motivação a mais de você ter de trabalhar, buscar resultados e boas apresentações, pois, independentemente do adversário e da competição, o mais importante é a entrega e como você se apresenta para que as pessoas que estejam assistindo se sintam representadas em quadra. A vitória, claro, é importante porque estamos falando de esporte de rendimento, mas o torcedor que vai assistir e se identifica com nossa camisa precisa ver que o time lutou até o final. Temos de buscar essa identificação.”

Valorização da base

“Se estamos investindo e valorizando nossa base, não faz sentido não termos atletas das categorias de base no profissional. Se nossa filosofia é de fomentar e valorizar as atletas, técnicos e o trabalho da base, temos de incorporá-las e elas têm de se sentir parte do projeto. Teremos um time competitivo com algumas contratações pontuais. Hoje temos uma base muito interessante, com atletas experientes e outras mais novas, e será muito importante essa mescla com a base até pelo fato do nosso investimento. Ainda faltam algumas contratações e estamos buscando jogadoras estrangeiras, sim, que se encaixem no nosso perfil e orçamento.

O voleibol é um esporte caro para a realidade e o momento do nosso país e precisamos de investimento, mas precisamos ter os pés no chão. Estamos tendo muito carinho na formação dessa equipe para que tenhamos as peças certas nos lugares certos e que possamos ter um alto índice de competitividade. As meninas da base serão aproveitadas, com certeza, mas sem obrigação nenhuma e por merecimento.”

Início da pré-temporada

“Nossa ideia é começarmos, na última semana de junho, com as avaliações físicas das atletas e, na primeira semana de julho, iniciarmos os treinamentos.”

O elenco do Sesi Vôlei Bauru para a temporada 2022-2023 já conta com as líberos Leia e Letícia Hemelly (Pequena), a levantadora Dani Lins, as centrais Mayany e Mayhara e as ponteiras Thaisinha, Karina e Sabrina Groth.

Leia mais:

  • APÓS DUAS TEMPORADAS, RUBINHO DEIXA O COMANDO TÉCNICO DO SESI VÔLEI BAURU
  • SEM CONTRAPARTIDA PROMETIDA PELA PREFEITURA, SESI CONSTRÓI QUASE 500 VAGAS DE ESTACIONAMENTO PARA GINÁSIO

  • Opnião dos Leitores

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



    [Nenhuma estação de rádio na Base de dados]