O neoliberalismo

Por on 22 de novembro de 2018

Com a confirmação do Economista Paulo Guedes para comandar o Superministério da Economia (junção dos Ministérios da Fazenda, Planejamento e Comércio Exterior) vem tomando vulto a discussão sobre suas ideias e sua formação. O traço mais marcante em sua formação está ligado as suas convicções liberais. Sua formação acadêmica, a escola de Chicago, defende o liberalismo econômico, portanto, seu entendimento quanto ao funcionamento da economia preconiza um Estado menor e a prevalência da economia de mercado.

O liberalismo como concebido no século XVII não tem mais espaço nas economias modernas, cedendo espaço ao neoliberalismo, ou seja, o novo liberal.

O neoliberalismo que tem sido empregado desde o fim dos anos 1980 preconiza a liberação econômica, priorizando e desestatização e as privatizações, com austeridade fiscal, livre comércio e forte desregulamentação. Neste contexto o Estado deve ser enxuto e eficiente, com cortes em seus gastos. O setor privado tem papel reforçado e preponderante.

O Brasil desde os anos 1990 faz experimentos na direção neoliberal. A própria Constituição brasileira de 1988 indicou o afastamento do Estado da economia quando coloca no capítulo da Ordem Econômica que somente será permitida sua atuação em empresas quando for imperativo para segurança nacional e de interesse coletivo. O governo de Fernando Henrique Cardoso promoveu uma série de privatizações, sinalizou com reformas estruturais, mas não completou o ciclo necessário para dar sustentação ao modelo em longo prazo. Com o Partido dos Trabalhadores no poder veio o inchaço da máquina pública e hoje o País paga um preço elevado por não ser competente o suficiente para equilibrar as contas públicas.

A questão se apresenta é: a população brasileira está preparada para aceitar efetivamente o modelo neoliberal? O Presidente eleito, Jair Bolsonaro, dará apoio incondicional a Paulo Guedes e sua equipe para levar em frente esta nova matriz econômica? É fundamental este questionamento porque no dia a dia há posições dúbias, tanto de Bolsonaro como de parte de população.

Tomemos como exemplo a Petrobrás. Há quem defenda controle de preços dos combustíveis. Controlar preços é exatamente o contrário do que o penso liberal preconiza. Outro ponto ainda ligado a Petrobrás: se mantém como economia mista ou privatiza totalmente? Outro ponto que não há consenso. Isso só para citar um exemplo entre tantos outros.

Na prática ainda temos em nossa mente o Estado “paizão”. Quando pensamos em benefícios individuais, queremos o Estado que tutela, interventor, contudo, quando exigimos um Estado mais eficiente, no fundo estamos imaginando um setor público mais regulador.

O que está evidenciado é que imaginar que a população terá do setor púbico tudo que precisa e deseja não tem mais espaço. São inúmeros os exemplos de Países que “quebraram” e ficaram no século passado por adotarem politicas centralizadas.

Um País com setor privado forte, com um Estado enxuto, que possui metas de melhoria em indicadores sociais, é capaz de promover a justiça social e levar qualidade de vida a sua população.
Para que isso seja verdadeiro não é preciso unanimidade, mas sim uma convergência de propósitos, de qualquer maneira o indicativo é que neoliberalismo estará presente na vida dos brasileiros. O tempo dirá se o governo Bolsonaro irá firme nesta direção.

Marcado como

Comentários

Escreva um Comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios*



Current track
Title
Artist

Background