Bauru decreta Emergência Hídrica e DAE anuncia medidas de enfrentamento

Escrito por em 13/11/2021

A prefeita Suéllen Rosim e o presidente do Departamento de Água e Esgoto (DAE), Marcos Saraiva, anunciaram nesta sexta-feira (12), durante entrevista coletiva, medidas emergenciais para enfrentar a crise hídrica que acomete a cidade. Serão duas medidas principais. A curto prazo, aluguel de caminhões-pipa, e a perfuração de poços como medida a longo prazo.

O coordenador da Defesa Civil, Marcelo Ryal, e o vice-presidente da Câmara, o vereador Guilherme Berriel, participaram do anúncio, assim como os vereadores Manoel Losila, Júnior Rodrigues, Beto Móveis, Marcelo Afonso e Serginho Brum, além da imprensa.

O DAE apresentou uma série de medidas que serão adotadas para sanar o problema de falta de água na cidade a curto, médio e longo prazos. Enquanto o período de chuvas não chega para normalizar o nível da lagoa de captação, a prefeita Suéllen Rosim, por meio do decreto 15.698, publicado nesta sexta-feira em edição extra do Diário Oficial, instituiu a situação de Emergência Hídrica no Município de Bauru. Diante disso, o DAE terá como fazer contratações de serviços de maneira mais rápida, como caminhões-pipa e perfurações de poços, observando todos os trâmites legais.

A curto prazo, visando intensificar a distribuição de água potável para a população, além dos sete caminhões-pipa próprios, o Departamento pretende alugar mais sete caminhões com capacidade para 22 mil litros de água potável cada. Nesta sexta-feira, três caminhões alugados através de processo licitatório já realizado estão fazendo o reforço com um total de 66 mil litros a mais. Esses caminhões farão o transporte de água potável excedente dos poços artesianos para os reservatórios dos bairros que precisam.

Há ainda a previsão de aluguel de cerca de 15 caminhões-pipa com capacidade para 30 mil litros de água bruta cada para realizar o transporte de lagoas da região até a lagoa de captação do Rio Batalha. Esta água será capturada pelos caminhões na bacia do Córrego Água Parada, localizada próximo ao bairro rural Rio Verde e na jusante do próprio Rio Batalha, e será despejada no poço de sucção da lagoa, de onde seguirá para o tratamento na Estação de Tratamento de Água (ETA), antes da distribuição para os bairros atendidos pelo manancial.

A contribuição dos poços privados é importante nesse primeiro momento. A interligação do poço localizado na Universidade de São Paulo (USP) com vazão de 17 m³/hora foi finalizada na tarde desta sexta-feira. O poço da Associação Bauruense de Desportes Aquáticos (ABDA) com vazão de 15 m³/hora, será o próximo a ser interligado. O DAE está fazendo também um levantamento de outros poços privados que utilizam a água do Aquífero Guarani e que possam colaborar no fornecimento de água.

Equipes de profissionais da autarquia começaram estudos para viabilizar a perfuração de poços artesianos nos bairros com maior concentração populacional atendidos pelo sistema Batalha/ETA. Pesquisas e contatos com empresas especializadas já estão adiantadas.

O DAE realizará, em breve, a retirada de material orgânico e desassoreamento de cerca de 400 m² de uma área localizada a aproximadamente 700 metros acima do eixo central da lagoa. Tal ação visa desobstruir o canal do Rio e possibilitar o fluxo de água até a captação. A limpeza inclui, ainda, a própria lagoa, a ser realizada no período de chuvas quando seu nível alcançar o ideal, o que possibilita os trabalhos. A longo prazo, ações para recuperação da mata ciliar, desassoreamento e desobstrução de todo o canal ao longo do Rio Batalha estão no projeto.

Para o presidente Marcos Saraiva, as medidas emergenciais complementam as outras. “Essa gestão busca esforços para resolver um problema antigo que a cidade enfrenta que é a falta de água em períodos de estiagem. Vamos amenizar o problema da falta de água e também a longo prazo, os problemas do Rio Batalha, como o desassoreamento e a questão da preservação com mata ciliar”, destaca.

A prefeita Suéllen Rosim lembra que o objetivo é levar água para a casa dos moradores. “São ações de curto prazo, para minimizar os impactos desta escassez de água na região abastecida pelo Rio Batalha, e outros para evitar que situações como esta se repitam nos anos seguintes. Tudo o que estiver dentro das nossas possibilidades e for legal será realizado para levar água aos moradores de Bauru”, comenta.

Todas as medidas anunciadas não suspendem o sistema de rodízio 24h/72h adotado na quarta-feira (10) devido ao baixo nível da lagoa que registra nesta sexta-feira a marca de 1,94 m, sendo o ideal, 3,20 m. Conforme as medidas surtirem efeitos, o sistema de rodízio será revisto ou até suspenso.
A autarquia ressalta ainda a importância do uso racional de água por parte da população, pois ainda não entramos no período de chuvas.


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



[Nenhuma estação de rádio na Base de dados]