Refazendo as contas

Por on 6 de março de 2020

A aprovação da Reforma da Previdência, que trouxe confiança aos agentes econômicos, aliada a notória melhora do ambiente de negócios, deram o pano de fundo para projeções quanto ao crescimento econômico em 2020 fossem mais otimistas.

Modelos econométricos apontaram para algo próximo a 2,5% de crescimento econômico para este ano. Como este crescimento é acima da inflação, a projeção nominal seria na ordem de 6,0% a 6,5%.

A força do ambiente doméstico puxada pelo crescimento do consumo e dos investimentos produtivos, sustentou o cálculo da projeção de crescimento.

Os eventos de início de ano não foram suficientes para abalar a confiança dos agentes econômicos, contudo, algum impacto começou a ser observado no dia a dia dos negócios. O conflito Estados Unidos com Irã foi o primeiro. Em seguida a morosidade na assinatura do acordo comercial entre Estados Unidos e China. Concomitantemente houve um certo nervosismo no mercado quando da aprovação do Impeachment de Donald Trump (não aprovado) e internamente o retardamento no andamento das reformas administrativa e tributária.

Neste contexto, revisitar o crescimento econômico brasileiro considerando 0,1 a 0,3 ponto percentual a menos, seria factível, contudo, avaliar a dimensão do impacto do coronavírus, ou melhor a falta de elementos firmes para entender a real dimensão do impacto do coronavírus na economia mundial e em particular a brasileira não é tarefa fácil.

Mesmo com esta constatação é preciso refazer as contas. O mundo todo foi impactado com esta nova doença. A China, segunda economia mais forte do planeta, opera economicamente em dimensões que, cada ponto percentual de queda no crescimento econômico afeta o mercado global quase que como um todo. Na prática, o mundo crescerá menos.

E o Brasil? Por enquanto são somente cenários. Uma leitura é entender que o ápice do efetivo controle da doença será observado agora no mês de março. Se ocorrer este controle o impacto na economia será maior no primeiro semestre, com recuperação no segundo semestre. Por este prisma é possível que a economia brasileira chegue aos 2% de crescimento. Por outro lado, se o problema não for equacionado no curto prazo, aí sim as projeções despencarão e teremos mais um ano de baixo crescimento, algo próximo a 1%. Esta segunda projeção poderá ser minimizada com incentivos monetários, como foi a recente a decisão do Banco Central americano. Além disso, a força do consumo doméstico pode ajudar a obter números acima de 1,5%.

Estas incertezas indicam que cada de nós, nos nossos negócios, na nossa profissão, precisa ser ágil, traçar vários cenários e estabelecer estratégias para, a cada sinal do mercado, ser capaz de, rapidamente, mudar de direção.
Sem pânico, mas com firmeza de propósitos poderemos contornar o ambiente adverso. Trabalhe nesta direção.


Comentários

Escreva um Comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios*



Current track
Title
Artist

Background